sexta-feira, 16 de março de 2012

Caras Pintadas, que nada, eles eram apenas massa de manobra


Neste dia 16 de março de 1990 foi instituída a nova moeda nacional, o Cruzeiro. Mas paralelo a isso, outro fato marcava essa data.
Era declarado o confisco das cadernetas de Poupança de todo o País com mais de Cr$ 50 mil Cruzeiros pelo recém-eleito presidente do Brasil Fernando Collor de Mello por meio de sua ministra da fazenda, a irmã Zélia Cardoso de Mello.

E foi aqui que Collor começou a cavar o buraco da cova dele... exatamente porque mexeu com peixes grandes... Aliás, peixes, na verdade era o que o Collor pretendia cultivar, e por não querer dividi-los com os demais (como de praxe), quiz comer sozinho com a familia, foi o que viria resultar na sua queda através de impeachment.

É verdade que mais tarde os caras pintadas tomaram conta das ruas de todo o País, e funcionou como pressão, mas se eles sozinhos fizessem isso, certamente não teriam tanto êxito. Eles foram usados inconsientemente como massa de manobra por aqueles que, além de não terem comido o peixe com o Collor, ainda perderam suas fortunas interradas nos impérios das poupanças, que até então funcionavam como os melhores investimentos.

Se os caras pintadas funcinassem de verdade, os governos dos FHCs e Lulas teriam tido outro resultado na História do Brasil.

Um comentário:

  1. Concordo em gênero, número e grau, porém não aprofundou no tema.

    ResponderExcluir